Governo do Estado reduz impostos e Fábrica de Vidros vai aumentar a produção em até 70%

Redução no ICMS do Gás possibilita que IVN passe a gerar cerca de 230 empregos diretos em Estancia



12/11/19 10h57   Economia Imprimir

Nesta segunda-feira (11), o governador Belivaldo Chagas foi até o município de Estância, visitar a  Indústria Vidreira do Nordeste(IVN), que anunciou em até 70% ampliação da produção de garrafas de vidro. A ampliação só foi possível graças à redução do ICMS incidente sobre o gás para uso industrial, realizada pelo governo do Estado, por meio de decretos assinados em 04 de julho. O crescimento da produção contará com um investimento de R$ 100 milhões, além de proporcionar um aumento no número de funcionários, passando de 180 para 230 empregados.

A visita foi acompanhada também pelo prefeito de Estância, Gilson Andrade; secretário-Geral de Governo, José Carlos Felizola;secretário de Estado do Turismo e da Comunicação, Sales Neto; o secretário de Desenvolvimento Urbano, Ubirajara Barreto; além do diretor-presidente da Adema, Givan Dias.

“Fiz questão de acompanhar a ampliação dessa fábrica que voltou a funcionar há poucos meses. Foram quase dois anos de portas fechadas, período em que se deixou de gerar emprego e renda. Na ocasião, nós fomos procurados pelo grupo Vidroporto, que hoje também é IVN, e já no primeiro momento, nos colocamos à disposição. Nos fizemos nossa parte, enquanto governo do Estado, ao emitir dois decretos que reduziram o ICMS do gás para a indústria, o que acabou por viabilizar o retorno e a expansão desse empreendimento aqui em Sergipe. Ao chegar aqui e ver essa tecnologia sendo implantada, inclusive, com um sistema robótico que tornará a indústria mais moderna no ramo no país, nos sentimos responsável. Afinal de contas, foi um projeto que se pensou lá atrás e nos chegamos em tempo. E ainda, tivemos uma notícia importante que além do empregos que serão gerados, a fábrica vai utilizar cacos de vidro no processo de produção, o que poderá beneficiar cooperativas de catadores que já existem no município, viabilizando mais emprego”,  disse o governador.

Além de conhecer o projeto de expansão e conferir as instalações da Fábrica, o chefe do poder executivo estadual aproveitou para entregar a renovação da licença ambiental, concedida por meio da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema).

“A gente quer é exatamente isso. Hoje a orientação é que não se crie dificuldade para quem quer empreender, porque o Brasil já vive em função de uma burocracia que não tem mais tamanho. Afinal de contas, o progresso dessas empresas é o progresso do estado também”, informou o governador.  

Expansão 

Com a ampliação, a fábrica terá um aumento dos insumos. O crescimento no consumo de gás de 300.000m³/mês (10.000m³/dia); aumento no consumo de energia 2.100Kw/mês (2,9mw médio/dia); recolhimento de impostos federais indiretos de R$ 15 milhões/ano; consumo de areia da mineradora Jundu e de cal Trevo. Além disso, será feito a instalação da primeira máquina de 48 seções e com robô no Brasil, estando a planta na vanguarda da tecnologia.

Segundo o presidente nacional da Vidroporto, Edson Rossi, empresa da qual participa a Indústria Vidreira do Nordeste (IVN), localizada em Estância, a decisão de aumentar a capacidade de produção em até 70% só foi possível à mudança do sistema de tributação do ICMS.  “A gente espera que em maio do próximo ano já estejamos produzindo com a implantação já concluída, gerando a mais, um média de 50 empregos diretos a principio e aproximadamente 200 indiretos. Essas medidas do Estado nos faz acreditar que a gente chega aqui para ficar por muito e muito tempo. Temos a intenção de transformar essa empresa em uma atividade perene. Que ela tenha sustentabilidade ao longo do tempo!” ressaltou.

O presidente nacional da Vidroporto acrescentou, ainda, que com a tecnologia empreendida na Fábrica, ela será a mais moderna do ramo no Brasil.

 “A tecnologia que nós estamos trazendo não existe ainda no Brasil. São máquinas de última geração, de uma capacidade em torno de 50% superior a produção atual. São equipamentos mais produtivos, com acessórios como robôs que não existem no Brasil nessa atividade. Então, estamos fazendo um estudo de vanguarda e vamos ter aqui em Estância, talvez a mais moderna fábrica do Brasil".

Já o diretor de operações da IVN Sergipe, Valdecy Souza, informou que com a nova planta, a produção chegará a 250 mil toneladas/ano. “Com as máquinas instaladas, a nossa capacidade produtiva chegará em 370 toneladas dia. Então esse aumento de aproximadamente 70%. Com essa ampliação a gente vai produzir quase 500 milhões de garrafas por ano”, disse o diretor que informou que 80 % da produção da fábrica é exportada para fora do estado. 

Gás

A ação integrada do governo do Estado conseguiu reduzir o preço do gás natural para as indústrias instaladas em Sergipe enquadradas no Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI). Com a entrada em vigor dos decretos 40.401 e 40.402, editados pelo Governo do Estado em julho de 2019, as empresas sergipanas consumidoras de gás natural passaram a usufruir de uma redução no preço da tarifa desse insumo na ordem de 19,83% para aquelas contempladas com a isenção e entre 12,42% a 8,53% para os casos de Redução de Base de Cálculo e Diferimento do ICMS sobre essas operações.

De acordo o secretário de Desenvolvimento Econômico, José Augusto Pereira, as medidas adotadas têm proporcionado o incremento de mais investimentos para o estado, consequentemente, geração de emprego, aumento de arrecadação e competitividade na indústria.

“Essas medidas de reduzir o ICMS do gás foi decisiva para que a empresa tomasse a decisão de duplicar a sua planta em Sergipe. Ou seja, é uma indústria muito importante, para trabalhadores muito especializados, isso é mais que simples empregos, é mexer na qualidade dos empregos. Ou seja, a gente tem que se preocupar com a quantidade, mas também com a qualidade desses empregos. É uma ampliação de uma indústria forte, diria que dos grandes investimentos dos últimos anos em Sergipe”, disse o secretário que espera que a medida também beneficie outras indústrias.

“A indústria cerâmica, de porcelanatos, pisos, revestimentos, também será muito beneficiada com a redução do ICMS. Nessa indústria, o custo do insumo gás representa 35% do custo total, o que é decisivo”, completou o secretário José Augusto.  

“A indústria tem o gás como uma matéria energética e outras como matéria prima. Essas medidas permitem que as empresas recebam esse benefício, chamado modicidade tarifária, por conta do gás mais barato e possibilita que as empresas façam a expansão dos seus negócios, do seu parque industrial”, pontuou o diretor-presidente da Sergipe Gás S/A (Sergás), Valmor Barbosa, destacando a nova política empreendida pelo governo do Estado, que possibilita a valorização do gás, ao mesmo tempo em que estimula a economia e a produção industrial.

agencia-se